7 filmes estrangeiros que você precisa assistir (por Lorena Mendes)

Quem não curte um bom filme? Eu sempre acho uma boa pedida!

A indústria de cinema é muito ampla e oferece opções para todos os gostos, humores e estados de espírito. Mas para se deliciar com propostas diferentes e rostinhos novos na telinha, precisamos ir além de Hollywood. O cinema mundial traz incríveis produções que, muito além de um roteiro interessante, contam Histórias de países e povos ao redor do mundo, apresentadas em uma nova perspectiva. Além disso nos permite conhecer línguas, cotidianos, paisagens e estilos de vida alternativos.

Eu separei uma singela lista com alguns dos meus preferidos, a maioria drama/suspense. Agarre o pote de pipoca, encarne o cinéfilo e dê uma olhada nessas dicas!

El Orfanato, 2007 (O Orfanato)

Meu tipo de filme. Tem ótimos atores que encarnam o papel em cada fala. O cenário milimetricamente arquitetado que também conta a história, criando uma atmosfera sombria, mas sem esconder a beleza das paisagens e cenas. Um roteiro bem trabalhado em uma trama que assusta sem precisar ensanguentar sua tela. Coisas de Guillermo Del Toro (diretor mexicano) que também se aplicam ao próximo filme.

A história se passa em um antigo orfanato com passado negro. Uma das órfãs, Laura, se muda para o casarão anos depois com seu marido e filho, Simon. Coisas estranhas e peculiares começam a ocorrer e Laura terá que revirar o passado para entender os eventos e proteger sua família.

 

El Laberinto Del Fauno, 2006 (O Labirinto do Fauno)

Outra obra prima de Guillermo Del Toro. Se você já assistiu HellBoy e A Colina Escarlate você sabe como esse direitor consegue criar um clima artisticamente “dark”.

Esse filme foi considerado pela crítica como um “Alice no País das Maravilhas” para adultos. Realidade e fantasia se mergem em meio ao estopim da Guerra CIvil Espanhola. Ofélia vive com sua mãe em um acampamento militar comandado pelo seu padrasto, o sádico capitão Vidal, notório pela sua crueldade. Em meio ao caos, Ofélia descobre um mundo mágico em que a ela é prometido um reino. Guiada pelo fauno, Ofelia deve completar tarefas para ter direito ao seu trono, mas o terror da guerra e estado de saúde de sua mãe podem atrapalhá-la em sua missão.

 

Los Ojos de Julia, 2010 (Os Olhos de Júlia)

Guillem Morales (diretor espanhol) elaborou um suspense psicológico surpreendente que vai te fazer dar alguns pulos na poltrona! Inovador e inusitado, te faz entrar na pele da protagonista e sentir sua ansiedade e desespero em sua trajetória.

Julia luta contra um problema hereditário que parece tomar sua visão aos poucos. Quando sua irmã Sara morre, ela não acredita que tenha sido suicídio e começa a desconfiar de um vizinho, começando uma busca incansável atrás da verdade. Mas quanto mais perto, mais sua vida corre perigo.

 

Le Fabuleux Destin D’amélie Poulain, 2001 (O Fabuloso Destino de Amélie Poulain) 

A Camila já falou desse filme uma vez, mas eu precisava comentar um pouquinho também.

Eu amo filmes franceses, e esse é um clássico. Mostra toda a leveza, delicadeza e cuidados estéticos em cada cena, comuns ao cinema francês. O modo de vida francês é mostrado em cada cena, na trilha sonora, nos deliciosos diálogos e nas poesias do narrador. É romântico, porém a heroína da história é um pouco mais fora da caixa do que estamos acostumados.

 

Bleu Est Une Couleur Chaude, 2013 (Azul é a Cor Mais Quente)

Ok, sou muito suspeita para falar de Léa Seydoux, mas a atuação dela é impecável (tanto que ela está no próximo filme da lista também)!

Outro gênero de filmes que eu curto são os realistas, honestos e crus como esse. Sem tanta maquiagem e pose, entradas triunfais e closes vaidosos – a preocupação em agradar o público fica em segundo plano, a história em primeiro (outro rolê presente em filme francês). Impossível não se envolver emocionalmente nesse drama tão intenso e bem atuado.

Adèle é uma adolescente naquela fase confusa de se descobrir e entender o que é a vida adulta. Enquanto ela tenta se encontrar em seu relacionamento, aparece a tal da garota dos cabelos azuis, Emma (Seydoux) que toma seus sonhos e pensamentos. Daí surge um romance complexo e intenso que mudará a vida de Adèle para sempre.

 

La Belle e la Bête (A Bela e a Fera)

Mais uma produção francesa e com a bela Léa Seydoux. Pode até não ter sido lá o maior sucesso da crítica, mas o que eu gosto nesse filme é a beleza e riqueza dos cenários, a nova roupagem da história, o tom sobrio porém delicado das cenas, a trilha sonora e as atuações que o tornam um filme muito envolvente. Para os amantes de filmes de época (tipo eu), esse filme traz paisagens da França e da Alemanha, castelos, soldados e toda uma atmosfera medieval. Quanto a história do filme em si, achei mais completa e realista, sem deixar de ter criaturas fantásticas e um toque romancista idealista. Um filme prazeroso de assistir.

 

Mommy, 2015

Termino a lista falando de um drama/ficção canadense do diretor Xavier Dolan. O que eu mais gostei nesse filme, para falar a verdade, foi o lindíssimo sotaque canadense que eu ainda não conhecia! Um francês disparado misturado com inglês que tem tudo a ver com a trama do filme. Uma viúva debochada recebe a tarefa de tomar conta de seu filho em tempo integral, um adolescente problemático com TDHA.

O realismo chocante, os palavrões, a violência, a falta de equilíbrio mental de qualquer uma das personagens, a bipolaridade da relação da mãe e do filho, definitivamente, mexem demais com o espectador. A filmagem e os cortes do filme captam muito bem as emoções e realmente te transportam para esse mundo caótico retratado, isso sem falar da trilha sonora que promete muitos arrepios. Preste atenção na sacada de mestre: o formato da tela muda conforme a trama evolui.

AVISO: a sensação de incômodo é normal e perdura o filme todo.

 

Dica final? Não assista dublado!! Você corta parte das emoções do filme perdendo o áudio e falas originais, que muitas vezes fazem parte da história. Vale a pena, prometo!

Aproveitem e me contem o que acharam!

Lorena Mendes, 26 anos, formada em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Ama aprender e ensinar. Ariana, hiperativa, aleatória, cinéfila e viajante – principalmente na maionese.

Compartilhe isso: